Clube Paulista de Desportos no Gelo Hoje é Terça-Feira, 23 de Outubro de 2018
  Principal Modalidades O Clube Seja um Patrocinador Fale Conosco
Skeleton
História

Tecnicamente, o esporte de Skeleton evolui a partir da Cresta, uma modalidade praticada no final da década de 1880 na cidade St. Moritz, na Suiça.

Em 1923 a Federação Internacional de Bobsled e Tobogã (FIBT) foi fundada para administrar o desenvolvimento do esporte. O Comite Olímpico Internacional (COI) em 1926 aprovou o Bobsled e o Skeleton como modalidades Olímpicas e adotou as regras do Club de St. Moritz como o regulamento oficial destas modalidades nos Jogos Olímpicos de Inverno.

A palavra Skeleton veio do alemão “schlitten” que significa trenó. Cresta/Skeleton foram incluídos nos Jogos Olímpicos de Inverno em 1924 e 1948, mas foram retirados dos Jogos por falta de um número suficiente de países praticantes.

Em 1999 o COI aprovou o pedido da Federação Internacional de Bobsled e Tobogã (FIBT) para reintroduzir o esporte de Skeleton no programa dos Jogos Olímpicos.

Nas Olímpiadas de 2002 em Salt Lake City, o esporte de Skeleton (masculino e feminino) voltou a fazer parte dos Jogos Olímpicos com grande sucesso.

Disciplinas do Skeleton

Individual masculino

Individual feminino

O Equipamento

Sapatilha de Skeleton – tenis especifico com 500 mini-agulhas (pregos) para tração no gelo

Capacete de Skeleton – o mesmo utilizado em paraquedismo

Trenó - Skeleton

Velocidade máxima e Força G: 130 a 150 Km/h, atingindo 5 G’s Peso máximo do trenó: 35 kg (feminino) e 43 kg (masculino) Custo do trenó: R$ 7.000,00 reais Fabricação: Feito com fibra carbono-kevlar e aço

Lâminas – Skeleton

Custo: R$ 2.000,00 reais por trenó – Cada trenó tem 2 laminas Fabricação: Feita de aço

A Pista de Gelo

Comprimento: entre 1.400 m e 1.500 m
Curvas: entre 15 e 19 curvas
Custo para construção da pista de gelo: R$ 100 milhões de reais

A Competição

Piloto: O(a) atleta corre 50 metros e desce de bruços (peito) no trenó . Essa distância é percorrida em menos de 5.5 segundos acelerando o trenó a 40 km/h Para correr no gelo em alta velocidade, o(a)s atletas utilizam sapatilhas especiais que possuem 500 agulhas que perfuram o gelo, dando tração e equilibrio aos atletas.

Chegada: Ao cruzar a linha de chegada o(a) atleta freia fazendo atrito no gelo com os pés e as mãos, diminuindo a velocidade do trenó gradativamente.

Tempo: Dependendo da pista uma descida dura entre 50 e 60 segundos. Os trenós chegam a 150 km/h.

Pontuação e Ranking: Os primeiros 30 atletas ganham pontos conforme tabela da Federação Internacional. No final da temporada o(a) atleta com o maior número de pontos acumulados, é declarado(a) campeã(o) mundial.
Na rede
Newsletter:
Newsletter
Cadastre seu e-mail para receber informações:
Apoio
Mais Informações
Assembleias Gerais Extraordinária e Ordinária da CPDG
Baiano, Edson Bindilatti é o piloto dos Blue Birds por vaga olímpica no bobsled em 2018
Rafael Souza, vem do Rio o mais jovem integrante da seleção brasileira de bobsled
Franca do basquete é também do bobsled e tem Odirlei Pessoni nos Blue Birds
Bobsled do Brasil tem Denis Parreiras, do calor do interior de São Paulo para o gelo
Tweets
Enquete
Em qual modalidade de Inverno o Brasil ganhará a sua 1ª medalha Olímpica?
Outros 43.2 %
Bobsled 25.7 %
Skeleton 18.5 %
Curling 9.27 %
Luge 3.09 %
 
Copyright © 2018- Clube Paulista de Desportos no Gelo. Todos os direitos reservados. Siga o CPDG